sexta-feira, 11 de janeiro de 2013

O BRASIL ENTREGOU A COPA?



Dizem que o Brasil entregou o jogo na final da Copa do Mundo de 1998. O enredo para os amantes das teorias de conspiração é vasto. O jogo era na França, o Brasil tinha Ronaldo, melhor jogador do mundo. A França nunca havia ganhado uma Copa e a misteriosa ausência de Ronaldo na primeira escalação divulgada.
A versão oficial diz que Ronaldo sofreu uma convulsão, foi para um hospital em Paris e recuperado, exigiu que Zagallo, técnico da seleção na Copa da França, escalasse o Fenômeno na final. Dizem que Edmundo, em entrevista no programa do Jô revelou que aquele dia foi estranho. Realmente foi estranho, mas o Animal, como era chamado o jogador, não fez nenhuma revelação que considerasse a possibilidade de armação naquele dia.
Muitos brasileiros acham que só se joga futebol com qualidade a nível da excelência por aqui. Por isso, acham absurda a possibilidade de o Brasil perder uma final de Copa. Dizem que aquele Brasil era bem melhor que a França, não tinha como perder. Pois bem, vamos recordar a Copa.
O Brasil de Zagallo era o time dos envelhecidos, Taffarel, Aldair, Dunga, César Sampaio, Leonardo e Bebeto. Esta era à base da seleção que ainda tinha: Cafu, Roberto Carlos, Rivaldo e Ronaldo, campeões do mundo em 2002. Na zaga titular, Júnior Baiano. Leonardo se tornou titular depois de uma das maiores amareladas da história das Copas de Giovani. Edmundo, também amarelou. Um toque de calcanhar bisonho e a reclamação por Rivaldo ter feito o "Fair Play" quando a seleção brasileira ainda perdia por 2x0 a final da Copa são as únicas lembranças do Animal na única Copa que este craque disputou. A seleção ainda tinha: Zé Carlos (São Paulo), Gonçalves (Botafogo), o veterano André Cruz e Doriva. Não sei como, mas estava naquela Copa.
O Brasil em 1998 passou apuros na primeira fase. Venceu no sufoco a fraca equipe da Escócia com um gol "sem querer" de Cafu no segundo tempo, 2x1. Depois, venceu com facilidade o Marrocos, 3x0. No último jogo, perdeu para a Noruega, 2x1. O jogo do pênalti que só uma TV da Suécia conseguiu registrar a falta de Júnior Baiano no atacante norueguês.
Na segunda fase, show de Ronaldo e da seleção contra o Chile, 4x0. Sufoco para vencer a limitada Dinamarca, 3x2. Na semi-final, um dos melhores jogos de Copa do Mundo que já assisti. Brasil 1 x 1 Holanda. Nos pênaltis, depois de fortes emoções na prorrogação com morte súbita, vitória do Brasil. Taffarel, o herói daquele jogo, defendeu dois pênaltis. Na final, um passeio da França, 3x0 e um show do eterno carrasco, Zinedine Zidane.
Pois é. Como se vê, apesar do bom time, o Brasil não teve vida fácil ou arrebentou naquela Copa. Não tinha um bom banco, os craques da reserva, Edmundo e Giovanni, amarelaram. A França de Zinedine Zidane, Henry (reserva), Viera (reserva), Thuram, Dechamps e Djorkaef, tinha um time tão bom quanto o do Brasil e foi campeã da Europa dois anos depois. Será que também compraram?
Dizem que o Brasil vendeu, mas as evidências nunca mostram, muito menos, comprovam. A França do gênio Zidane venceu com autoridade, é nisso que acredito. Quem acredita no contrário?

sábado, 5 de janeiro de 2013

RESUMOS IFAL 2012


Globalização


O QUE É Globalização é o período atual da economia mundial, com a crescente interdependência de governos, empresas e movimentos sociais. A globalização tem início com o fim da polarização política e econômica entre o bloco comunista e o capitalista, no início dos anos 1990. 0 processo de globalização envolve forças políticas, sociais, culturais e tecnológicas.

CENÁRIO A partir da década de 1990, a economia mundial entrou na era da globalização, que colocou em competição direta países em todo o planeta.  Assim, os que conseguem oferecer maior produtividade e infra-estrutura pelo menor preço levam vantagem na atração de investimentos internacionais e na   inserção de seus produtos no mercado mundial.      

NEOLIBERALISMO Os preceitos do neoliberalismo - que ficaram conhecidos como Consenso de Washington - pregam a redução da máquina estatal, com a privatização das empresas estatais e o corte nos gastos do governo com seguridade social, entre outras medidas.               

TRABALHO INFORMAL O acirramento da disputa no mercado internacional reflete-se também nas condições e na oferta de trabalho em todos os países. Quem mais sofre com isso são os jovens - na faixa entre 15 e 24 anos -, que se submetem a            trabalhos informais e salários reduzidos, mas a situação atinge todas as faixas de trabalhadores. A competitividade internacional e a grande oferta de mão-de-obra fazem com que ainda subsista o trabalho escravo e de crianças.

Consequências:
  1. Surgimento de novos paradigmas de competitividade, baseados no avanço da tecnologia e capacitação técnica dos trabalhadores;
  2. Surgimento de novos produtos, aumentando o consumo, abrindo-se os mercados;
  3. Surgimento de novos pólos de poder econômico, ou seja, de um mundo bipolar baseado na guerra fria passa-se para um mundo unipolar com preponderância dos Estados Unidos;
  4. Os Estados passam a ser subservientes às diretrizes das mega empresas que fazem às vezes dos Estados multinacionais;
  5. Desestatização da economia, com as privatizações, flexibilidade das relações de trabalho, redução das políticas sociais, aumento do desemprego e subempregos, aumento da violência principalmente nas grandes centros urbanos;
  6. Aumento da pobreza dos países subdesenvolvidos;
  7. Aumento da violência entre os excluídos;
  8. Aumento do descrédito nos políticos e nos partidos, como no caso do Brasil.

BLOCOS ECONÔMICOS São grupos de nações que surgiram como forma de facilitare baratear o comércio entre si. Classificam-se em zona de livre comercio,  união aduaneira, mercado comum e união econômica e monetária. 

OMC A Organização Mundial do Comércio é uma instituição internacional fundada em 1995 para regulamentar e fiscalizar o comércio mundial, nos moldes da globalização. A OMC funciona em reuniões chamadas rodadas, que têm o objetivo de obter acordos para liberalizar o comércio mundial.         

G-20 (Grupo dos 20) reúne os 19 principais países desenvolvidos e em desenvolvimento, incluindo o Brasil, mais a União Europeia. Representa 90% do PIB do planeta, 80% do comércio e dois terços da população mundial. A presidência do bloco é rotativa, exercida por um representante de uma região diferente do planeta a cada ano. Em 2010, a presidência está com a Coreia do Sul.

G-8 Formado pelos sete países mais ricos do mundo e pela Rússia, o G-8 deu origem ao G-20. Com a crise financeira de 2008 e 2009, e suas terríveis consequências para a economia global, os principais países emergentes, pelo peso crescente de sua economia no cenário internacional, foram incluídos nas mais importantes discussões econômicas mundiais.

BRICS A sigla para Brasil, Rússia, índia, China e África do Sul foi criada para designar os principais países emergentes do mundo. 0 bloco soma 2,7 bilhões de pessoas, o equivalente a 40% da humanidade.


Migração na Atualidade e a questão Da Xenofobia
DESTINOS Na primeira metade do século XX, a Europa e o Japão enviavam migrantes a países em desenvolvimento. Hoje, milhares de migrantes dos países pobres tentam entrar, legal e ilegalmente, nas nações desenvolvidas.

FLUXOS MIGRATÓRIOS Ocorrem de áreas onde a população aumenta rapidamente para regiões cujo índice de crescimento demográfico é menor. Entre o século XVIII e a década de 1930, os europeus correspondiam a 35% da população mundial e estavam espalhados pelos cinco continentes. Hoje, a migração se dá dos países em desenvolvimento em direção aos mais ricos.

BARREIRAS Sob pressão da onda migratória, os países desenvolvidos endurecem suas legislações e dificultam a entrada de imigrantes. Também reforçam suas forças de fronteira, constroem muro nas divisas e ampliam as frotas para cortar as rotas marítimas de migração.

FUGA DE CÉREBROS Ao mesmo tempo em quedificultam a entrada da massa de imigrantes, em geral mão-de-obra desqualificada, as nações desenvolvidas buscam atrair profissionais qualificados dos países pobres- como cientistas, professores e executivos. Esse fenômeno é chamado de "fuga de cérebros" dos países em desenvolvimento.

TRABALHO Nas nações desenvolvidas, a maioria dos imigrantes encontra emprego de menor qualificação, ganhando salário mais baixo que o da população local. Como nesses países o perfil populacional é de baixa taxa de natalidade e alto grau educacional, os imigrantes ocupam postos com menor procura. Nos últimos anos, esses postos passaram a ser mais cobiçados, o que também explica a maior rejeição às levas de imigrantes.

DINHEIRO Um aspecto importante da migração é que os imigrantes ajudam a diminuir a pobreza em seu país de origem. Em 2005, as remessas oficiais de dinheiro dos países ricos para as famílias dos migrantes chegaram a 167 bilhões de dólares.

DIRETIVA DE RETORNO É a lei de expulsão de imigrantes ilegais da União Europeia, aprovada em junho de 2008. Estabelece a prisão dos ilegais pelo período máximo de 18 meses, além da proibição de retornar ao continente europeu por cinco anos.

REFUGIADOS São aqueles que cruzam fronteiras internacionais para escapar de conflitos armados ou violações dos direitos humanos. São 13,5 milhões de pessoas, que representam cerca de 7% do total de imigrantes no mundo.

MIGRAÇÕES NO BRASIL
DESCONCENTRAÇÃO DA INDÚSTRIA As mudanças na migração estão ligadas à transferência de indústrias do Sudeste para outras partes do país, bem como das regiões metropolitanas para o interior. Essa transformação tem sido impulsionada pela guerra fiscal e pela busca das empresas por custos menores e acaba atraindo trabalhadores para novos lugares.

SALDO MIGRATÓRIO É o número de imigrantes que entraram em determinado estado, subtraídos do número de emigrantes que saíram desse estado em direção a outros. No Brasil, historicamente, o Nordeste apresentava saldo migratório negativo e o Sudeste, positivo. Agora, essa relação está mudando.

MIGRAÇÃO DE RETORNO É o desloca mento de pessoas para sua região de origem, após ter migrado durante parte da vida. Esse fenômeno passou a ocorrer na Região Nordestea partir da década de 1980, com a melhora da economia local, e acentuou-se nos últimos anos.

MIGRAÇÕES INTRARREGIONAIS Movi mentos populacionais dentro da mesma região. É o tipo de migração que tem ocorrido entre estados do Nordeste e do Sul. No passado, essas regiões apresentavam forte êxodo em direção ao Sudeste e Centro-Oeste.

ECONOMIAS REGIONAIS Os movimentos migratórios têm relação com a dinâmica econômica das regiões. O Sudeste continua sendo economicamente mais forte, mas há outras regiões com a eco-nomia em alta. O agronegócio cresce no Centro-Oeste e no cerrado nordestino. As indústrias estão se espalhando para as regiões Sul, Norte e Nordeste.

FLUXOS MIGRATÓRIOS São os traje tos do maior volume de migrantes. Quem sai de uma região é emigrante, e quem entra é imigrante. No Brasil colônia, foram marcantes as imigrações de negros escravos da África e de colonizadores de Portugal. No fim do século XIX e início do XX, acontece a imigração maciça de europeus e de asiáticos. Atualmente, a maioria dos imigrantes estrangeiros é da América do Sul e da Ásia. Dentro do país, o fluxo migratório mais significativo no século XX sempre foi das regiões menos industrializadas (sobretudo o Nordeste) para o Sudeste. No período mais recente, o desenvolvimento agrícola no Centro-Oeste atraiu muita gente para a região.

A RAZÕES DAS MIGRAÇÕES A busca de trabalho, renda e melhorescondições de vida são determinantes para atrair os imigrantes. Mas as razões para emigrar podem ser diretamente econômicas, como recessão e desemprego; causas naturais, como catástrofes e secas; ou sociais, como guerras, ocupações militares e perseguições políticas, que criam os refugiados.

CICLOS ECONÔMICOS No período colonial, os fluxos migratórios acompanharam principalmente o ciclo do ouro e da cana-de-açúcar. No Império e na República Velha, houve o ciclo da borracha e a expansão do café. A seguir, a industrialização no Sudeste passou a ser o polo de atração mais importante. Nos anos 1970 houve também o estímulo à imigração para a Amazônia Legal, com a distribuição de terras e a criação da Zona Franca de Manaus.

TENDÊNCIAS ATUAIS A tendência a imigrar para o Sudeste diminuiu nas últimas décadas, poisa partir dos anos de 1990 acontece uma redistribuição das indústrias para outras regiões, como Sul, Nordeste e Centro-Oeste, e há uma forte expansão da agropecuária no Centro-Oeste. A partir de 2006, o IBGE constata uma volta da migração das outras regiões para o Sudeste, estimulada pela grande criação de empregos.


CRISE ECONÔMICA


GLOBALIZAÇÃO Período da economia mundial aberto no início dos anos 1990, ao final da Guerra Fria(1949-1991), e marcado pela interdependência entre empresas, governos e movimentos sociais do mundo todo. O termo descreve ainda a situação propiciada pela internet, com a troca instantânea de informações e a possibilidade de movimentos globais de capitais. Por isso,aatual crise econômica afetou o mundo todo rapidamente.
CRISE ECONÔMICA Foi iniciada em setembro de 2008, com o estouro da bolha imobiliária nos EUA: houve a quebra do banco norte-americano de investimentos Lehman Brothers, provocando um efeito dominó no mercado financeiro mundial. O alto endividamento de diversos países, agravado pela ajuda ao mercado financeiro, é a expressão mais aguda da crise no início de 2012.


GRÉCIA O país entrou numa profunda crisede insolvência financeiraem 2010: atingiu um endividamento público tão elevado que não conseguiu mais empréstimos. A União Europeia e o Fundo Monetário Internacional acertaram um empréstimo bilionário ao país. Em troca, a Grécia se comprometeu acortar gastos sociais, aumentar a arrecadação e privatizar empresas e serviços estatais.

UNIÃO EUROPEIA É o maior bloco econômico do mundo, que agrupa 27 países. Dezessete deles compõem a zona do euro, que compartilham o euro como moeda. Há ainda o Espaço Schengen, incluindo 26 países (quatro de fora da UE). A crise na Grécia ameaça a viabilidade da zona do euro. Para evitar um contágio, a União Europeia pressiona governos do bloco a cortar seus gastos. Os países com déficits fora dos padrões da UE foram batizados com o nome de PIIGS, acrônimo formado com as iniciais em inglês de Portugal, Itália, Irlanda, Grécia e Espanha, que sugere economias "sujas".

PROTESTOS As consequências da crise econômica desagradaram à população de vários países, nos quais eclodiram greves e protestos. Em 2011, as mobilizações surgiram em muitos continentes, algumas vezes de forma espontânea.

AUSTERIDADE
Milhares de gregos foram às ruas para protestar contra o governo
A receita para o fracasso é conhecida: descontrole de gastos públicos em economias pouco competitivas. Sem uma política fiscal unificada, a União Europeia enfrenta sua mais grave crise econômica. Espanha, Itália, Irlanda, Portugal e Grécia gastaram mais do que arrecadaram e recorreram a empréstimos a juros estratosféricos até o ponto em que suas dívidas não conseguiram mais ser financiadas. 
A situação foi agravada pela crise de 2008 – provocada pelo estouro da bolha do mercado imobiliário americano – e levou os países europeus a adotar pacotes de ajuda bilionários que diminuíram suas arrecadações. Como consequência, o euro entrou em processo de desvalorização e agora ninguém garante que os 17 países-membros da União Europeia vão continuar a adotá-lo. Dono da economia mais forte do continente, o governo alemão enfrenta pressão de parte da população, que reluta em ajudar os vizinhos descompromissados com o rigor fiscal. Na Grécia, à beira do colapso, as ruas da capital Atenas viraram palco de protestos violentos contra o plano de austeridade fiscal, que inclui, entre outros pontos, demissões e congelamento dos salários do funcionalismo público.
O prejuízo na zona do euro, instituída pelo Tratado de Maastrich em 1992, ameaça ir além da esfera econômica. A crise pode fazer ruir as bases políticas do bloco originário na Comunidade Europeia do Carvão e do Aço, fundada em 1951, embrião da Comunidade Econômica Europeia. “É provável que o bloco saia reformulado desta crise, mas ninguém sabe como”, afirma Ricardo Amorim, economista e colunista de ISTOÉ.



quinta-feira, 3 de janeiro de 2013

LÁ VEM O PATO!



Hoje ele é modelo e jogador de futebol nas horas vagas. Passa mais tempo em capas de revistas, sites e revistas de fofocas e quando ligam seu nome ao futebol é por conta de alguma nova contusão.
Tem uma nova chance no futebol. Uma grande chance no campeão da Libertadores e do mundial. Saí de um Milan esfacelado para um Corinthians organizado, melhor time do continente. Terá que mudar de atitude como atleta. O ídolo do torcedor do Corinthians é a instituição, não atletas. Para ser aceito por eles, não basta marcar gols, tem que ter gana, sujar o calção para correr atrás de uma bola impossível.
O Alexandre Pato atual é bem diferente do garoto que apareceu no Internacional em um jogo contra o Palmeiras no Palestra Itália e no primeiro tempo acabou com o Palmeiras. O Pato de hoje é indolente, parece não se preocupar em jogar futebol, mas com os holofotes que o maior esporte do mundo proporciona.
Se voltar a jogar seu bom futebol, será bom para quem gastou muito por ele, o Corinthians. Será bom para seleção brasileira, mas uma boa opção para o ataque. Será bom para o futebol no Brasil. A piada é repetida, batida, mas não tem como não usá-la. Quem ninguém pague o pato!!

O Herói, Zeca Pagodinho!!!



Zeca Pagodinho é famoso e não aceitar que seu ato solidário seja explorado é querer tapar o sol com peneira, perder tempo. Um grande ato, merecedor de todos os elogios. Sua frase "tenho nojo dos políticos" é o que todo mundo fala, tem vontade de falar mas não é ouvido. Assim como um ato solidário de um famoso é mais divulgado e exaltado que o de um anônimo, seu protesto tem mais força. Falta isso em nossas músicas. Música não é apenas diversão, mas também, importante instrumento para reflexão e protesto. Parabéns ao Zeca. Sua ação desprovida de qualquer interesse de promoção pública foi cativante. Aplausos ao grande sambista. Mais uma prova que o ser humano é mais bela obra divina.

terça-feira, 25 de dezembro de 2012

FELIZ NATAL



Idealista que sou, não poderia ter outro sentimento nesta dia que não fosse a alegria. Chegou o dia em que deixamos de lado as individualidades e nos sentimos na obrigação de valorizar o coletivo. É o dia que nos reunimos em família para troca de presentes e conversas longas e alegres. É o dia que lembramos os amigos e felicitamos vizinhos ou aqueles que pouco conversamos.
O espírito do Natal é o amor. O amor que nos leva a compreensão, fraternidade, solidariedade e tantas outras boas ações que são inspiradas na história do homem que a razão da existência desta festa, Jesus Cristo.
Desejo à todos os amigos e seus familiares muita paz e alegria nesta natal.


sexta-feira, 21 de dezembro de 2012

O GORDO FICOU FELIZ!



O gordo ficou feliz, por todas as mensagens, ligações, saudações, abraços, beijos e bater de palma do dia do seu aniversário. O gordo agradece o carinho de amigos e familiares. Foi a primeira vez que o gordo passou seu aniversário junto de alunos. O gordo ficou feliz com o maior número de parabéns de toda sua vida. O gordo não chorou. Mentira, ele chorou. Chorou de felicidade.
O Gordo falou que vai tentar responder cada mensagem, uma por uma. O Gordo pediu para avisar que não ficará com raiva de quem esqueceu ou não teve tempo de felicitá-lo pelo seu aniversário. O Gordo também pediu para avisar que não ficará com raiva de quem não deu presente. O Mal educado esquece de presentear, não tem o direito de cobrar presente de ninguém.
O Gordo agrade cada presente. O Gordo agradece principalmente a amizade e o carinho que dispensam a ele. O Gordo diz que o melhor presente que pode receber é a certeza de ser amado. O Gordo avisa que continuará tentando fazer o melhor. O melhor para Gordo é fazer que outros fiquem felizes por ele e com ele. O Gordo diz: MUITO OBRIGADO!

sexta-feira, 14 de dezembro de 2012

FLAMENGO, VASCO E O VEXAME. SOU MAIS MEU CRB!


Os quatro grandes times de São Paulo terminarão o ano com pelo menos um título. Nos torneios internacionais, apenas os paulistas conseguiram vagas nas semi finais. Se o Corinthians vencer o mundial, terão ganhado todas as taças internacionais que disputaram em 2012. No Rio, tirando o Fluminense e o dinheiro da Unimed e o mediano Botafogo, não se sabe o que será de Flamengo e Vasco no próximo ano.
Times desorganizados, sem direcionamento político e econômico. Apesar do vexame em 2012, muitos torcedores rubro-negros ainda acreditam que o time é forte porque "É O MENGÃO". Não basta ter camisa, tem que ter organização.
No Vasco, Roberto Dinamite, o presidente que paga salários atrasados e justifica com o: "eu nunca recebi salário em dia como jogador". Termina o ano querendo tirar a estátua em homenagem a desafeto Romário. É político, Deputado Estadual no Rio de Janeiro. Não assusta que como boa parte dos políticos deste país, perde a noção entre o que é público e privado.
Desorganizados como estão, se bem que o Flamengo tem uma nova diretoria, se nada mudar, em poucos anos o Flamengo vai conhecer a segunda divisão e o Vasco, voltará à série B. E ainda tem gente que nos questiona por amar o que eles chamam de "porcarias de Alagoas." Se vocês não têm vergonha deste vexame constante que é o Flamengo, porque teríamos de CRB e CSA?

Wesley, respeita o Luiz.


Imaginar que este homem superou preconceitos terríveis, para com seu imenso talento, convencer o Brasil do valor de sua música e transformar este gênero musical, parte importante da música popular brasileira. Hoje, deixaram este maravilhoso gênero musical MUÍDO com os AVIÕES repleto de SAFADÕES que viajam o Brasil com sua música de baixo nível. Salve o mestre, poeta, Luiz Gonzaga.

NATAL EM FAMÍLIA



A reunião do Natal em Família foi maravilhosa, ainda feliz por esta noite. Mais um dia de profunda reflexão com a família sobre a nossas vidas e nosso papel. Sem esquecer do nome de Jesus Cristo, razão maior desses encontros.
O mais belo de nossas reuniões é que fazemos questão de ressaltar a felicidade de estarmos juntos sempre que possível. A vida em família é algo que se diferencia em cada lar, cada grupo familiar, mas sempre, quando fundamentada no amor, o espírito solidário impera e transforma. Amo minha família e como sei que este é o sentimento da maioria. Infelizmente, somos quase que obrigados a ler mensagens negativas onde paira a dúvida sobre a fidelidade entre amigos. Não compartilho este tipo de mensagem por ter amigos e uma família que prova que isso não é regra, mas exceção. A regra é que somos bons, nos amamos.
Perdão pelo texto meloso, cheio de clichês. Mas se não sentem vergonha de declarar que o ser humano não presta, não terei vergonha em declarar que amo meus amigos e minha família. Por isso, não tenho dúvida. O ser humano é mais bela obra de Deus.

segunda-feira, 10 de dezembro de 2012

O espetáculo The Voice.


The Voice é excelente, reality show que prestigia o talento. Neste programa, não importa se o candidato atende ao perfil do rosto bonito, branco e esbelto. O que vale é o talento, não a edição que favorece ou ser ou não queridinho do apresentador prolixo. Em todos os quesitos o Big brother é o oposto da excelência que tem o The Voice. Big brother é uma m..
Serão sete mulheres, um homem na final. Quem julga, não se importa com a cor da pele, condição social ou orientação sexual do participante. O resultado é o da emoção, os números indicam quem mais cativou o público. Esta é a função do músico, do artista. Independente do resultado, a competição não é levada como uma disputa que diminua o oponente, humilhação pública e conchavos para destruir outro grupo. Esta pobreza de espírito, passa longe do programa musical da Globo. 
Um programa excelente, cativante, emocionante. Não ficamos tristes, mas emocionados a cada edição. Que venha a final e que vença o melhor. Quem quer seja o vencedor, o telespectador brasileiro já ganhou uma ótima opção de entretenimento. Em janeiro, infelizmente, voltam com a porcaria. Que caia um novo muro e que o prolixo, procure fazer seus versinhos sem sentido em outra freguesia. Aproveita e leva seus heróis, Bial. Não precisamos disso!
Vou torcer por Ellen Oléria. 

O minha casa, minha vida do torcedor.

http://globotv.globo.com/rede-globo/esporte-espetacular/t/edicoes/v/gremistas-se-emocionam-na-despedida-do-estadio-olimpico/2285139/

Só entende o que é isso quem vai para arquibancada torcer pelo seu time. Quem ver seu time pela televisão, se emociona, mas não tem a verdadeira medida do que é para um torcedor saber que não voltará para sua casa, terá que se adaptar a uma nova morada. Isso é parte importante do futebol. 
Nos vimos em cada rosto gremista como fossemos um deles. Sentimos isso por entender o que eles estavam sentido ao se despedir do Olímpico. Quem prefere a frieza da televisão, seja em casa ou na mesa de bar, se emocionou, mas acreditem, não sabem o que eles estavam sentindo. Vocês, podem acreditar, não sabem o que é ser torcedor de verdade. Quando meu time joga, minha casa, é o estádio de futebol.

domingo, 2 de dezembro de 2012

Pai, afasta do Brasil esse "cálice"!

José Maria Marin discursando na entrevista coletiva.
0 craque Ronaldo, fenômeno também na publicidade. Infelizmente, na propaganda que desrespeita o direito de questionar.

video


Na entrevista coletiva que apresentava o novo treinador da seleção brasileira de futebol, Luis Felipe Scolari e o coordenador técnico, Carlos Alberto Parreira, o presidente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), José Maria Marin, o "Zé das Medalhas", tomou o microfone para discursar de maneira ufanista, bradando o espírito patriótico. O amor a pátria do mandatário da CBF segue a nada saudosa cartilha do regime militar do "Brasil, ame-o ou deixe-o". 
Marin iniciou sua carreira política como vereador pelo Partido de Representação Popular (PRP), criado por Plínio Salgado, o mesmo da Ação Integralista Brasileira dos anos 30. Nos anos 70, foi deputado estadual pela Aliança Renovadora Nacional (ARENA), partido de sustentação do Regime Militar. Foi vice-governador de São Paulo, o titular era o governador biônico Paulo Maluf. Ainda tem em seu currículo a infeliz frase direcionada ao diretor de jornalismo da TV Cultura, Vladimir Herzog, quando disse: "vem verificando os fatos negativos, pois não se vê nada de positivo, apresenta apenas miséria, apresenta problemas, mas não apresenta soluções" ... "é preciso mais do que nunca uma providência, a fim de que a tranquilidade volte a reinar não apenas nesta casa. Mas, principalmente, nos lares paulistanos." Percebe-se que o nobre presidente seguia muito bem o ideal repressivo e de combate a quem diverge de seus conceitos.
Voltando ao seu atual posto, na entrevista coletiva, como vocês podem ver no vídeo, Marin exalta sua decisão ao mesmo tempo que condena aqueles que não concordam com sua decisão de demitir Mano Menezes e contratar, Felipão, como anti-patriotas. Ao assistir, um arrepio que não foi de entusiasmo pelo discurso, mas de pavor de notar que infelizmente, o patriotismo dos militares, baseado no combate a quem diverge. Será que ele ainda não aprendeu que vivemos outro tempo, onde divergir é parte da liberdade que o regime de exceção que apoiava cerceou? Esqueceu Marin que os brasileiros gozam do sagrado direito à liberdade de expressão? Creio que sim.
Não bastasse a ridícula campanha publicitária da Brahma que chama os brasileiros que cobram equilíbrio e o bom uso do dinheiro público e por extensão, cumpra-se as obras programadas para a Copa do Mundo de pessimistas, agora este triste discurso. Se hoje, dois antes este discurso inflamado e propagandas enganosas de falso patriotismo nos enchem, imagina na Copa? Pai, afasta do Brasil esse "cálice"!



Comoção, oportunismo, loucura, besteira, infelicidade, alegria, sensacionalismo. São muitas palavras, negativas ou positivas, todos têm alguma opinião ou sentimento para a história do menino que vendeu a bicicleta para torcer pelo CSA. Não por preferência, com certeza influenciado pelo espírito de torcedor e amante do maior de todos esportes e acima de tudo, alagoano, fico com a turma que encarou o fato com um misto de comoção, alegria e satisfação pela nobreza da torcida azulina e principalmente pela demonstração de carinho e amor pelo clube do pequeno marujo.
Sou regatiano, vermelho e branco puro, não torço pelo CSA. Mas no dia que o Morumbi recebeu a seleção brasileira e uma plateia de pessoas que pouco entendem do privilégio de ser torcedor, este menino que abdicou do objeto dos sonhos de toda e qualquer criança para fazer parte da massa azulina que apoiará seu clube no domingo é exemplar e precisa ser compartilhado. O menino mostrou o que é ser torcedor. O CSA joga a quarta divisão do futebol brasileiro, mas para ele e muitos torcedores do azulão, pouco importa, o CSA vai jogar. Mais importante que o campeonato que disputa ou títulos que tenha o time, é ter um time para torcer. Nossos dirigentes, infelizmente, exploram nossa paixão e abusam do direito de desrespeitar seus torcedores. Azulino, regatiano, alvinegro não importa. Hoje, o pequeno marujo é expressão do amor de cada torcedor por seu clube.

sexta-feira, 14 de setembro de 2012

Show de Gessinger




Não gosto de diminuir o trabalho de ninguém, não tenho esse direito. Mas ouvindo Humberto Gessinger é impossível não comparar suas belas canções com as que são exaustivamente empurradas goela abaixo dos brasileiros diariamente em programas de rádios e televisão. Música de baixo nível, com letras e harmonia simples, repetitivas e barulhenta, sem nenhum motivo para meditação ou que provoquem o mínimo de emoção positiva a quem escuta. O contrário desta miserabilidade musical, toca e canta, Humberto Gessinger. Não é música para fãs de um gênero musical ou de uma banda, cantor ou momentos. Não é música ocasional, é música para ser ouvida por quem gosta da vida. Vale a pena ouvir!!!

TRISTE INTOLERÂNCIA!




Quando criticam os católicos de arrogantes, intolerantes ou algo parecido é dolorido. Sou católico e não gosto de ouvir e tento muitas vezes explicar algum erro de interpretação sob
re algumas posições da Igreja. Mas quando leio e vejo mensagens como esta, é muito mais dolorido por saber que alguns momentos, as críticas tem fundamento. Protestante não é menos inteligente que católicos ou vice versa, apenas entendem Cristo de uma maneira diferente e merecem todo o respeito. 
É repugnante que em uma sociedade cada dia mais idiotizada, os seguidores do homem que é o maior exemplo de amor da humanidade ainda percam seu precioso tempo e a oportunidade de construir a unidade entre  pessoas, independente de denominação religiosa, com mensagem que diminuem não os criticados, mas todo aquele que recebeu de Deus o dom vida. 
Aos amigos evangélicos, saibam que a maioria dos católicos não tem participação nesta mensagem estúpida.